06/09/2011 13h50

Familiares que cuidam de doentes têm saúde física e mental afetadas

 

Agência Notisa

As enfermidades que acometem um paciente muitas vezes acabam refletindo nas vidas de outros membros da família. Este é o caso dos chamados cuidadores, pessoas que dedicam grande parte de seu tempo a suprir as necessidades básicas do doente, auxiliar na sua recuperação ou garantir-lhe sobrevida. Os impactos desses cuidados em tempo integral são discutidos no artigo “Apoio social na experiência do familiar cuidador”, escrito pela professora da Universidade de Fortaleza Patrícia Moreira Collares e equipe.

No artigo publicado na edição de janeiro da revista Ciência & Saúde Coletiva, os especialistas relatam os resultados da pesquisa que entrevistou 18 parentes de doentes de Fortaleza sobre seu estado emocional, saúde física e o apoio social recebido.

Os autores observaram que a maioria dos cuidadores é do sexo feminino, com idade média de 50 anos, e é filha do paciente. Já os familiares dependentes eram predominantemente mães e pais que sofreram acidente vascular cerebral (AVC), condição que exigia cuidados em tempo integral por conta da irreversibilidade das sequelas.

Segundo o artigo, a maioria dos cuidadores precisou reestruturar sua vida, se privar de sua rotina pessoal e sacrificar a saúde para poder oferecer os devidos cuidados ao doente. Foram relatados casos de dor na coluna, enxaqueca, hipertensão e depressão associados às práticas de tratamento do enfermo. “O cuidador sem suporte pode ser um futuro paciente, isto porque, por imposição ou escolha, geralmente, é tão pressionado por necessidades imediatas do doente que se esquece de si”, comentam os autores.

Eles relatam ainda que a maioria dos cuidadores arca com a inteira responsabilidade sobre o acompanhamento do doente, o que resulta na perda de seus vínculos sociais e até empregatícios. Em alguns casos, este familiar passa a depender financeiramente de parentes, causando desentendimentos relacionados aos gastos para sua sobrevivência e desavenças sobre o tipo de tratamento ao qual o doente é submetido. “Apenas uma informante referiu receber de seus parentes manifestações de afeto, o que chama atenção para a precariedade das relações entre essas pessoas”, acrescentam os pesquisadores no estudo.

Para esses familiares, dizem os autores, geralmente a necessidade de cuidar do doente acaba sendo associada a representações negativas. É o que ilustra o depoimento de uma cuidadora citado no artigo: "Às vezes, a gente já acorda cansada. Não aguento nem falar. Só conhecendo pra entender. Tem dia que só falto sair correndo. Eu digo: eu não quero mais isso! Dá vontade de abandonar". Para os especialistas, esse esgotamento físico e mental pode ser muito prejudicial ao cuidador. “Induzidos pelo sentimento de sobrecarga, manifestações como tristeza, raiva, medo, ansiedade e dor são comuns aos indivíduos, assim como um misto de amor e ódio pela pessoa doente”, ressaltam.

Para os pesquisadores, é muito importante que os cuidadores tenham o apoio constante de outros familiares. E recomendam que eles se afastem do doente por alguns períodos para que possam pensar um pouco na sua própria qualidade de vida. Além disso, afirmam que é necessário aproximar esses cuidadores dos profissionais de saúde, garantindo-lhes conhecimentos mais específicos para o tratamento do enfermo e assim tornando-os mais seguros e autônomos.

(1) Comentário

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

acho que os governantes devem remunerar a passoa que cuida desses doentes, dando mais atencao a saude fisica e emocional

 
terezinha rocha em 06 de setembro de 2011 às 18:59